Translate

domingo, 4 de maio de 2014

Mantega admite elevar impostos sobre bens de consumo. Desemprego, inflação, recessão e depressão econômica virão a galope.


Objetivo deste ano é de atingir 1,9% do PIB. 
Guido Mantega também disse ao jornal 'O Globo' que o aumento de 10% do Bolsa Família não vai comprometer as contas públicas.
O ministro ainda reconheceu que o governo estuda uma medida que reduz o salário e a jornada de trabalho para evitar demissões.
Bens de consumo são os bens utilizados pelos indivíduos ou famílias. A quantidade de bens de consumo que são comercializados em cada país reflete o nível de vida da população e também permitem avaliar os gostos e as características da sociedade em questão. 
Bem de consumo é um bem que tem o objetivo de satisfazer as necessidades de consumo de um indivíduo.
Bens de consumo são os bens produzidos pelo
homem e destinados ao consumo das pessoas, são diferentes dos bens intermediários, que são utilizados no processo de produção para serem transformados em bens finais ou dos bens de capitais que são as máquinas utilizadas pelas indústrias.
Os bens de consumo estão divididos em duráveis, semi-duráveis e não duráveis. 
Os bens de consumo não duráveis são aqueles feitos para serem consumidos imediatamente, como alimentos (sorvetes, chocolate). 
Os bens de consumo duráveis são aqueles que podem ser utilizados várias vezes durante longos períodos, como um automóvel, e os semi-duráveis podem ser considerados os calçados, roupas, que se desgastam com o tempo.
Em geral, os melhores exemplos de bens de consumo são alimentos, roupas, cadeiras, televisões etc.
Se os impostos serão elevados, irá ocorrer:
Inflação: com aumento continuado e generalizado dos preços dos bens e serviço. 
O aumento de preços é verificado na grande maioria dos bens e não só em alguns. Há uma acentuada diminuição do poder de compra devido a vários fatores, como por exemplo,  no nosso caso irá diminuir os salários, com aumento da inflação a níveis alarmantes! Aumento dos preços que acontece de forma persistente e que resulta na diminuição do poder de compra. Nestes casos, é exigida maior quantidade de dinheiro para adquirir a mesma quantidade de produto, resultando em inflação. 
O aumento exagerado dos preços da energia elétrica ou petróleo, ou ainda, pelo aumento ou excesso de consumo, aumentará a procura do produto e, consequentemente, o seu preço. Teremos vários tipos de inflação ao mesmo tempo:
  • Inflação de custos ou inflação de oferta, que acontece por causa da oferta, por exemplo, quando há uma subida dos custos de produção;
  • Inflação inercial: também é conhecida como inflação psicológica, porque não é causada necessariamente por uma alteração na demanda ou oferta. Acontece porque as pessoas acreditam que a subida dos preços vai continuar;
  • Inflação estrutural: a subida de preço acontece por uma falta de eficiência das infraestruturas envolvidas no processo de produção, no caso da energia elétrica e transportes.
Menor consumo, que ocasiona menos vendas do comércio, que comprará menos nas indústrias, levando à:
Menos vendas com desemprego no comércio
Queda da produção da indústria com demissões em massa e desemprego na indústria
Queda no investimento e na inovação, com desemprego nestas áreas
Estímulo à criminalidade, com elevação dos níveis de roubos, assaltos, assassinatos, tráfico e prostituição.
Aumento da corrupção em todos os níveis
Escape dos investimentos externos para outros mercados mais lucrativos
Queda progressiva do poder de compra de cada cidadão levando a inflação à níveis alarmantes 
Recessão econômica com risco de instabilidade na segurança nacional e invasão por potências estrangeiras abertamente através da ONU e de outros exércitos
A recessão se assemelha à depressão, mas é uma forma menos grave de declínio econômico. A recessão ocorre quando diminui o volume total de despesas na economia de uma nação. 
As despesas podem diminuir porque os consumidores compram menos automóveis, casas e outros bens; porque as empresas produzem menos bens, ou compram menos máquinas e equipamentos.
Em seguida haverá:

Depressão econômica com crise 
generalizada na economia, que se traduz
por inflação acelerada, desemprego, 
desvalorização dos títulos e ações nas 
bolsas de valores etc.

Não é alarmismo, é a realidade deste governo!
Preparem-se!


Nenhum comentário: