Translate

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Se prepare, se não estiver ativo on-line, pode ser chamado de psicopata. Todo mundo que não tem internet ou não quer ter sua privacidade invadida é louco?


Você não tem conta no Facebook? 

Cuidado, pois isso já pode ser considerado muito estranho


Empregadores e psicólogos dizem que pessoas que não têm cadastro na rede social são suspeitas e podem ter problemas psicológicos.


O Facebook já é algo que faz parte da vida das pessoas. Como há quase um bilhão de contas cadastradas por lá, boa parte da população mundial conectada à internet costuma conduzir grande parte das suas relações sociais por meio do site.

O fato é que, hoje em dia, é considerado estranho uma pessoa não ter perfil no serviço.

E isso já pode ser percebido em vários lugares. A Forbes e o Daily Mail, por exemplo, trazem matérias que mostram como algumas companhias passaram a se mostrar muito receosas na hora de contratar candidatos que não estão cadastrados na rede social.
Segundo os recrutadores, se uma pessoa escolhe ficar de fora do Facebook, é porque ela tem algum problema, seja uma grave dificuldade de relacionamento com as outras pessoas ou até mesmo porque a sua vida é tão complicada que não pode ser exposta em um site do gênero.

Namoros sem confiança?


Se não conseguir emprego por não ter conta no Facebook já é algo que pode deixar você preocupado, que tal descobrir que a sua nova namorada (que também não usa a rede social) não é de confiança? De acordo com o site Slate, quando uma pessoa não tem uma página no site, isso pode significar um grande risco ao relacionamento.
Segundo a matéria, se ela não se expõe, provavelmente é porque há algo de errado: ela (ou ele) pode ter mentido sobre algum fato para você ou então pode estar escondendo detalhes que você não pode saber — o que se aplicaria somente às pessoas mais jovens e cujas gerações praticamente cresceram utilizando as redes sociais.

Psicopatas em potencial


A publicação alemã Der Taggspiegel vai ainda mais longe. Em sua reportagem, a revista busca traçar uma relação entre o comportamento de alguns psicopatas e a falta de uma "forte" presença online de alguns assassinos. O site cita o americano James Holmes e o norueguês Anders Behring Breivik como exemplos.
Os dois têm duas coisas em comum: mataram uma grande quantidade de pessoas inocentes em ataques praticamente inexplicáveis e ambos não tinham perfis no Facebook. Com isso, o Der Taggspiegel dá a entender que não contar com um cadastro na rede social é o primeiro indicio de que alguém pode ser um psicopata em potencial.
Assim, no artigo, o psicólogo Christopher Moeller diz que ter uma conta na página pode ser considerado uma espécie de “atestado de sanidade”, pois isso, teoricamente, provaria que a pessoa tem relações normais com outros indivíduos.


Nenhum comentário: