Translate

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Os homens sábios foram eliminados. Hoje quem "governa" o país são os bandidos.

Na minha opinião devemos ser em primeiro lugar homens, e só depois súditos.

A única obrigação que tenho direito de assumir é fazer a qualquer momento aquilo que julgo certo.

Há um número bastante reduzido de homens que serve ao Estado também com a sua consciência; são os heróis, patriotas, mártires, reformadores e que acabam por isso necessariamente resistindo, mais do que servindo; e o Estado trata-os geralmente como inimigos.

Que comportamento digno deve ter um homem perante o atual governo vigente?
Todos reconhecem o direito de negar lealdade e de oferecer resistência ao governo sempre que se tornem grandes e insuportáveis a sua tirania e ineficiência.

Quando o próprio PT chega a construir a máquina do governo e vemos a organização da tirania e do roubo, afirmo que devemos repudiar essa máquina.

Há milhões de pessoas cuja opinião é contrária ao aborto e à corrupção; apesar disso, nada fazem de efetivo para pôr fim à estes absurdos.

Qual é hoje o preço de um homem honesto e patriota?

Eles hesitam, arrependem-se e às vezes fazem passeatas, mas nada fazem de sério ou de efetivo. Com muito boa disposição, preferem esperar que outros ajam contra o mal, de forma que nada reste para motivar o seu arrependimento. Na maioria dos casos, irão votar e esperar a boa sorte.

Toda eleição é uma espécie de jogo. E somos OBRIGADOS a votar. Que importância terá a possível decisão destas eleições para um homem independente, inteligente e respeitável? O voto hoje não vale mais nada! As urnas são inseguras e manipuladas.

Um homem sábio não deixará o que é certo nas mãos incertas do acaso e nem esperará que a sua vitória se dê através da força da maioria. Um homem sábio não se dobra aos poderosos!

Nenhum homem tem o dever de se dedicar à erradicação de qualquer mal, mesmo o maior
dos males; ele pode muito bem ter outras preocupações. Mas ele tem no mínimo a obrigação de não dar qualquer apoio prático à injustiça. O soldado que se recusa a participar de uma guerra injusta é aplaudido.

As ações baseadas em princípios - a percepção e a execução do que é certo - modificam coisas e
relações. Existem leis injustas; devemos transgredi-las imediatamente!

Numa sociedade com um governo como o nosso, os homens em geral pensam que devem esperar. Mas é o governo o culpado de o remédio ser pior do que a doença. É o governo que faz tudo ficar pior. Admitindo bandidos, corruptos e facínoras de toda espécie, recebendo até os de fora.

Se você for pego roubando comida de um supermercado, irá imediatamente preso em flagrante, mas se rouba milhões, terá direito a responder em liberdade com os melhores advogados!

Se a injustiça é parte do governo, de maneira que exija que você seja o agente de uma injustiça para os outros, então transgrida a lei. Não vim prá este mundo com o objetivo de fazer dele um bom lugar, mas apenas para morar nele, seja bom ou não. Um homem não carrega a obrigação de fazer tudo, mas apenas alguma coisa; e só porque não pode fazer tudo não é necessário que faça alguma coisa errada. Sob um governo que é cheio de bandidos, o lugar para um homem justo é a prisão.

A verdade é mais forte que o erro. Se você quiser ser contra um governo corrupto, então renuncie
ao seu cargo nele. Confúcio disse: «Se um Estado é governado pelos princípios da razão, a pobreza e a miséria são fatos envergonhantes; se um Estado não é governado pelos princípios da razão, a riqueza e as honrarias são os fatos que envergonham»

Sai mais barato, em todos os sentidos, sofrer a penalidade pela desobediência do que obedecer. Obedecer faria com que eu me sentisse diminuído. Se uma planta não pode viver de acordo com a sua natureza, então ela morre; o mesmo acontece com um homem.

Um verdadeiro homem deve negar lealdade ao Estado e se manter efetivamente indiferente a ele. Há uma diferença entre resistir a essa força do governo e a resistir a uma outra puramente bruta ou natural: a diferença é que posso resistir a ela com alguma efetividade.

Devemos ter afeto ao nosso país como aos nossos pais. Não devemos ter desejo de domínio ou de receber algum benefício.

Não me preocupo muito com o governo, e quero dedicar a ele o menor número possível de
reflexões. Ele não pode ter sobre a minha pessoa e meus bens qualquer direito puro além do que eu lhe concedo.

O melhor governo é o que menos governa. E quem governa minha vida sou eu.

Como dizem atualmente: nos aguarde.

Nenhum comentário: