sábado, 15 de outubro de 2011

Marcha mobiliza milhares ao redor do mundo.

http://www.youtube.com/watch?v=KWJHV8s4qSg&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=aFxN8_es6Zg

http://www.youtube.com/watch?v=chqi8m4CEEY

Indignados de todo mundo se uniram neste sábado em diversas cidades para protestar contra o capitalismo, a corrupção e as políticas de austeridade que foram adotadas com o agravamento da crise nos países industrializados.

Munidos de cartazes e máscaras do protagonista dos quadrinhos "V de Vingança" - fábula anarquista que foi imortalizada nas telas de cinema - os manifestantes prometem tomar as ruas de 952 cidades em 85 países, incluindo cidades brasileiras.

No Rio de Janeiro, a manifestação não encontrou o apoio esperado reunindo menos de cem pessoas. No Rio de Janeiro, os manifestantes prometem se reunir à tarde na Cinelândia. Como nas demais cidades, o protesto foi convocado pelas redes sociais.

Entretanto, até às 13h, apenas 37 pessoas estavam nos pontos de concentração previstos na Cinelândia e na Praia de Copacabana. Apenas no primeiro havia faixas e cartazes.

- Eu vim gritar contra todo o descaso do país. É descaso na educação, na saúde, na segurança. Precisamos nos reunir para mudar o jeito das coisas - disse a estudante Clara Oliveira, de 23 anos.

Em São Paulo, são aguardadas 200 manifestantes na capital.

Já na Europa, os protestos foram maiores e mais violentos em Roma, culminando em vans da polícia italiana incendiadas. Agentes que tentaram conter o protesto na cidade italiana e alguns rebeldes ficaram feridos e ruas e praças destruídas.

Principais focos da crise econômica e de credibilidade dos governos, os países europeus tiveram o sábado agitado. Manifestantes incendiaram carros e depredaram lojas e agências bancárias em Roma um dia após o premier Silvio Berlusconi ter obtido um novo voto de confiança do parlamenro da Itália. Alguns vandalizaram ainda os escritórios do ministério da Defesa. A polícia utilizou jatos de água para dispersar a multidão em Madrid que atirava pedras, garrafas e rojões. Manifestantes e policiais ficaram feridos. A segurança foi reforçada nas proximidades do Banco da Itália.

Em Frankfurt, capital financeira da Europa continental, cerca de cinco mil manifestantes se reuniram em frente à sede do Banco Central Europeu (BCE). Já em Londres, 500 ativistas marcharam da Catedral de St. Paul para as proximidades da bolsa de valores. O fundador do Wikileaks, Julian Assange, fez um discurso em apoio aos manifestantes.

Na Espanha, onde os protestos se avolumam desde maio, a marcha dos indignados chegou às vilas e áreas rurais. Neste sábado, seis marchas saíram da Praça Cibeles em direção à Puerta del Sol, em Madrid, logo no início da manhã.

Os protestos também mobilizam a polícia da França, que sedia neste sábado um encontro dos ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, o grupo dos 20 países mais desenvolvidos do mundo. Ontem, numa manifestação inusitada, um ativista da ONG denominada Robin Wood fez um protesto solitário - e seminu - em frente à antiga Bolsa de Paris.

Do outro lado do Atlântico, o movimento 'Ocupem Wall Street', nascido em Nova York no fim do mês passado, promete manifestações em milhares de cidades dos EUA, de São Francisco a Washington.

Nesta sexta-feira, os indgnados 'made in USA' obtiveram uma vitória ao conseguirem o adiamento da remoção do seu acampamento em uma praça de Manhattan. No Canadá, estão previstos protestos em Montreal e Vancouver.

Na capital paulista, cerca de 200 pessoas são esperadas no Largo do São Bento, na região central, de onde partirão em passeata até o Vale do Anhangabaú.

O atual regime político não nos representa. Assim como nos sindicatos, existe uma falsa democracia.

Protestos também na Ásia e na Oceania

Para além das Américas e da Europa Ocidental, os protestos também se espalham pelos balcãs, pela Ásia e pela Oceania.

Em Sarajevo, na Bósnia, centenas foram às ruas carregando imagens de Che Guevara e velhas bandeiras comunistas que se lia "Morte ao capitalismo, a liberdade para o povo", onde se observa o aproveitamento de um movimento mundial pelos socialistas querendo manipular a população.

Em Sydney, na Austrália, cerca de 300 pessoas se reuniram sábado, usando aparelhos de som para gritar frases como: "Estamos cansados de ganância empresarial! Os grandes bancos, o poder das grandes corporações sobre nós e em pé Tirando os nossos direitos!".

















http://www.youtube.com/watch?v=mlj8-bSpjVY



Nenhum comentário: