domingo, 22 de maio de 2011

A celebração da Ignorância. Livro do MEC (Ministério da Exterminação da Cultura?). Ditadura civil na Educação.

A ditadura civil petista está usando o MEC para aumentar o controle das massas e se perpetuar no poder através da ignorância e deseducação da população.

Estamos há uma década na Era Lula(ou será Nula?), a era da ignorância, do desprezo à cultura, do culto ao crime, do menosprezo ao conhecimento e aos diplomas. (Afinal quem tem conhecimento deve ser excluído e em breve deverá ter direito às cotas por serem minoria?). Mas isso é outro assunto.

Todos os dias temos alguma notícia inacreditável, atos estupidificantes e propositais da quadrilha que se apossou do país e que pretende nos reduzir à inércia total como povo, uma degradação moral, a um jejum intelectual que apenas coma, produza e durma, assisitindo, comendo e ouvindo só a doutrinação como foi no sonho da Grande Cuba, onde o próprio Fidel renegou nos últimos meses.

Quando falamos sobre o livro do MEC, nosos conhecidos dizem: ah,é brincadeira,você está brincando, não é possível...Realmente é difícil de acreditar.

Na mesma linha do Kit Gay temos agora o Quiti Inguinoranssa da professora(?) aposentada Heloisa Ramos. Nome da "obra”: "Por uma vida melhor", da coleção Viver e Aprender(?) levando todos ao desprezo das regras de concordância verbal.

Exemplo:Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado.

Segundo a autora, basta que o artigo “os” esteja no plural para indicar tal.

O MEC( Ministério da Exterminação da Cultura?) concorda e assina em baixo.
Com o que? Com a digital?

Ele (o MEC)afirma que o livro atende à "Matriz de Competências do Exame Nacional de Certificação de Jovens e Adultos". Ou seja: ensina-se a ser incompetetente e depois admite-se o indivíduo como competente.

Sempre será daquele estágio: inconsciente incompetente.

Só será competente para votar no PT, receber estes tipos de kits e bolsa-família.

Isso sem esquecer o salário-reclusão, pois matar alguém ou cometer crime que o faça ser preso, é merecedor de receber um salário, mas a família da vítima não recebe nem desculpas do Estado. Afinal, quem mandou devolver suas armas?

Mas voltando ao assunto, diz a pseudo-professora que o pseudo-livro didático(ou seria ditatorial?), adotado este ano por mais de 4.000 escolas públicas foi elaborado por ela e por outros "especialistas" em língua portuguesa com base nas experiências que tiveram em sala de aula após décadas de ensino.

Foram eles que levaram a educação brasileira aos baixos níveis de hoje!

Quem é o MEC prá dizer o que é certo ou errado na Língua Portuguesa?

A Língua Portuguesa é um patrimônio da humanidade,não é propriedade do MEC!

O MEC diz que é para combater o preconceito contra alunos que falam linguagem popular. Não seria o correto ensinarem a todos falarem o certo?

Repete-se o crime do Kit Gay,que claramente estimula,induz o homossexualismo entre as crianças para que os gays se sintam "normais"!

Se o indivíduo fala corretamente, aprendeu corretamente, ele terá condições plenas de se comunicar com todos e até ensiná-los e corrigi-los quando necessário e isso que é respeitar, ajudando a quem fala errado.

Se permitirmos que este MEC e seus exóticos livros continuem a deturpar um patrimônio que é de todos nós - a Língua Portuguesa - logo, logo, ninguém será capaz de se entender, pois eu falo uma coisa, você entende outra e o outro que está ouvindo conclui outra coisa totalmente diferente das outras.

E tudo estará correto!!!

Esta é, com nossos pêsames, a Torre de Babel 2.0 - A destruição da Língua Portuguesa.

Nenhum comentário: