Translate

segunda-feira, 14 de março de 2011

Lula passou 28 anos dizendo "Fora FMI", hoje a Dívida interna = R$ 2, 3 trilhões, Lula leva US$ 200.000 em palestras prá dizer: Brasil = “sucesso econômico” . E ele diz que fica chique emprestar ao FMI!!!

A maior herança maldita de Lula para sua sucessora ganha contornos tsunâmicos.

A dívida interna da União atingiu R$ 2 trilhões 297 bilhões e 900 milhões de Reais, em 31 de dezembro de 2010.

Estes números – tão destruidores quanto um trágico terremoto japonês – Lula não cita em suas palestras internacionais, como a que estreia hoje em Doha, no Catar.

A convite da TV Al-Jazeera, o ex-presidente receberá seu primeiro cachê de US$ 200 mil dólares.

O economista Ricardo Bergamini traz mais números que comprovam a catastrófica gestão econômica de Luiz Inácio Lula da Silva – que seguiu a política de seu antecessor Fernando Henrique Cardoso. Foi brutal o aumento nominal da dívida interna total (em poder do mercado e do Banco Central).

Atingia R$ 65,6 bilhões (18.78% do PIB), em 1994, subindo para
R$ 841,0 bilhões (56,91% do PIB), em 2002.

O economista lembra que, na gestão FHC, o governo federal assumiu todas as dívidas do estados e municípios, cujo valor atualizado com base em dezembro de 2010 era de R$ 471,7 bilhões (13,56% do PIB).
Com Lula, em 2002 foi de R$ 841,0 bilhões (56,91% do PIB), para
um total de endividamento R$ 2.297,9 bilhões (65,55% do PIB), em 2010.

Bergamini observa que a dívida Interna em poder do mercado saltou de
R$ 2,1 bilhões (9,19% do PIB), em 1994, para
R$ 558,9 bilhões (37,82% do PIB) em 2002.

Na Era Lula, a mesma dívida interna em poder do mercado de
R$ 558,9 bilhões (37,82% do PIB), em 2002, para
R$ 1.603,9 bilhões (45,75% do PIB), em 2010.

O professor mostra que a dívida interna em poder do Banco Central também se descontrolou.
Era R$ 33,5 bilhões (9,59% do PIB), em 1994, passando
para R$ 282,1 bilhões (19,09% do PIB), em 2002.

Na Era Lula, a mesma dívida pulou de
R$ 282,1 bilhões (19,09% do PIB), em 2002, para
R$ 694,0 bilhões (19,80% do PIB) em 2010.

Bergamini informa que a Dívida Líquida Total da União (Interna e Externa) também cresceu. Houve um aumento nominal de R$ 87,8 bilhões (25,13% do PIB), em 1994, para R$ 1.103,9 bilhões (74,70% do PIB), em 2002. Com Lula, também ocorreu um aumento nominal de
R$ 1.103,9 bilhões (74,70% do PIB), em 2002, para
R$ 2.388,0 bilhões (68,12% do PIB). em 2010.

O pesquisador também desvenda o comportamento da Dívida Externa Líquida da União (Dívida Externa Bruta Menos Reservas). Segundo Bergamini, na Era FHC, houve aumento nominal de R$ 22,2 bilhões (6,35%do PIB), em 1994, para R$ 262,9 bilhões (17,79% do PIB), em 2002. Já com Lula, nesta conta, aconteceu uma redução nominal de R$ 262,9 bilhões (17,79% do PIB), em 2002, para R$ 90,1 bilhões (2,57% do PIB), em 2010.

Ricardo Bergamini revela o que está por trás do alardeado falso-sucesso pregado por Lula, quando fala de tal “diminuição”: Quanto ao citado empréstimo ao FMI, o Brasil nada mais fez do que uma operação normal e rotineira de um adiantamento para futuro aumento da sua participação na cota do “DES” (Direto Especial de Saque).

A única coisa nova e surpreendente nessa operação foi à transformação do Senhor Lula, um homem sempre radical pregando por 28 anos o Fora FMI ter mudado para a frase a seguir: É chique emprestar ao FMI.

Com esse marketing o mercado financeiro internacional concedeu diversos prêmios internacionais ao Lula.
Para quem ele trabalha...para o capital internacional.

Um comentário:

Sertão Noticias disse...

Ou ninguem enxerga ou podemos dizer que passar despercebido é mais facil quando está com a maquina na mão!